02/05/2012

Ator de 'Rebelde' comemora boa fase como um dos maiores vilões da TV

No ar como o Miguel, de 'Rebelde', Thiago Amaral prefere personagens articuladores. Foto: Luiza Dantas/Carta Z Notícias/TV Press
O jeito observador e meticuloso de Thiago Amaral reflete na concepção de cada novo trabalho. No ar como o vilão Miguel Zimer, de Rebelde, da Record, o ator não perdeu tempo em analisar a novela. Na trama de Margareth Boury, Thiago vive um jovem obcecado pelo universo vampiresco. "Quis entender o mundo em que entrei. É um produto que funciona muito bem para o público que é destinado. As pessoas realmente acreditam nas histórias em que estão assistindo", afirma o ator, que buscou inspiração nos filmes como Drácula de Bram Stoker e Entrevista com Vampiro. Apesar de interpretar um dos principais vilões da nova temporada, Thiago considera seu personagem extremamente valoroso e verdadeiro. "Ele é muito sincero. Mesmo com as maldades, ele não usa a mentira para alcançar seus objetivos. É uma espécie de vilania inteligente", valoriza.

Natural de Porto Alegre, o ator começou a atuar aos 14 anos. Em 2007, Thiago se mudou para o Rio de Janeiro e iniciou a Oficina de Atores da Globo, onde permaneceu por um ano até ser escalado para participar do musical O Despertar da Primavera, de Charles Möeller e Claudio Botelho. Na montagem, o ator interpretava Hanschen, um adolescente com dilemas sobre a sexualidade. "Foi bem complexo de montar, porque ele tinha muitos conflitos internos. Era como a ovelha desgarrada do grupo", analisa.
Nome: Thiago Aires do Amaral.
Nascimento: em 16 de junho de 1984, em Porto Alegre.
O primeiro trabalho na TV: Participação no programa Toma Lá, Da Cá, da Globo, em 2007.
Atuação inesquecível: O personagem Hanschen do musical O Despertar da Primaveral, de Charles Möeller e Claudio Botelho.
Interpretação memorável: Sean Penn em todos os trabalhos.
Momento marcante: Estar no ar em Rebelde.
A que gosta de assistir: Filmes.
O que falta na televisão: Alguns filmes demoram muito para chegar à televisão. Muitos são reprisados várias vezes.
O que sobra na televisão: Nada. Televisão é um meio aberto para atingir a todo tipo de público.
Ator favorito: Marlon Brando.
Atriz favorita: Cate Blanchett.
Com quem gostaria de contracenar: Wagner Moura.
Se não fosse ator, o que seria: Eu gosto muito de natureza. Acho que faria algo relacionado ao esporte, como kitesurfe.
Novela preferida: Vale Tudo, da Globo, de 1988.
Cena inesquecível na TV: Quando o Wagner Moura se declara para a personagem da Camila Pitanga emParaíso Tropical, da Globo, de 2007.
Melhor trilha sonora de novela: Take a Toke, de C&C Music Factory, de Quatro por Quatro, da Globo, de 1994.
Melhor abertura de novela: Vale Tudo.
Vilão marcante: O Coringa, interpretado por Heath Ledger, em Batman - O Cavaleiro das Trevas, de Christopher Nolan.
Papel que mais teve retorno do público: Miguel, de Rebelde.
Melhor bordão da TV: "E o salário, ó", de Chico Anysio, da Escolinha do Professor Raimundo, da Globo, de 1990.
Que novela gostaria que fosse reprisada: Que Rei Sou Eu?, da Globo, de 1989.
Que papel gostaria de representar: Um mendigo.
Filme: Drácula de Bram Stoker, de Francis Ford Coppola, de 1992.
Livro de cabeceira: Cartas a um Jovem Poeta, de Rainer Maria Rilke.
Autor: Machado de Assis.
Diretor: Pedro Almodóvar.
Um vexame: Já saí de casa com um tênis de cada par.
Uma mania: Sempre tomar meu chimarrão.
Um medo: Que algo ruim aconteça com minha família.
Projetos: Quero fazer Cinema e Teatro com mais frequência e continuar trabalhando na televisão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário