30/05/2012

"Lock and Key"


Capítulo 5


POV- Lua

O ator que eu tive que beijar primeiro era o Bernardo. Fiquei feliz por ser ele, já que eu possuía certa tranquilidade perto dele.

Depois dele, veio ninguém menos ninguém mais que o garoto que eu vira na fila, o mesmo que eu achara com cara de metido na fila no outro dia.

Ele sorriu ao me ver. Como tínhamos cinco minutos para nos preparar juntos, ele tratou de apresentar-se:

“Oi, me chamo Arthur, posso saber seu nome? Talvez assim fique mais fácil de nos conhecermos.” Ele comentou.

“Lua. Prazer.” Falei fria. Não queria papo, e, francamente, preferia que o Bernardo ganhasse a vaga, apesar do sorriso do Arthur ser mil vezes mais bonitos e hipnotizantes.

Enquanto ensaiávamos rapidamente, eu não pude ficar sem evitar que os lábios dele pareciam ser extremamente macios.

O diretor nos chamou, e após beijá-lo cheguei a seguinte conclusão: Os lábios dele, bem como eu imaginava, eram macios e (juro que me odeio por confessar) deliciosos. O diretor liberou-me após esse ocorrido, porém Arthur foi obrigado a ficar

POV- Arthur

A Lua foi a primeira menina com quem eu contracenei. Ela era meio reservada, talvez até ríspida, mas algo nela me encantou.

Quando me apresentei, tentando amenizar o clima, ela sequer quis dar-me atenção. Mas não liguei. A única coisa que eu olhava eram os lindos olhos dela.

O diretor nos chamou novamente, pediu que começássemos a cena e quando chegou a hora do beijo surpreendi-me.

Se ela parecia ser uma pessoa seca ou fria, o beijo provou o contrário, os lábios macios dela, assim como a leveza que ela mexia em meu cabelo, enquanto dávamos um beijo técnico, foi enlouquecedor.

Quando acabamos de nos beijar, ou melhor, quando mandaram que a gente se separasse, eu ainda possuía minha mão na cintura dela. O diretor informou que Lua estava liberada, porém que eu teria que contracenar com mais uma atriz.

Essa segunda atriz se chamava Anna Laura. Ela era simpática, risonha, e, principalmente, animada.

Beijei-a, mas algo não “pegou” bem. Parecia que não havia química entre nós. Quando sai do estúdio, quase uma hora depois de ter beijado a Lua, fui ao estacionamento pegar meu carro, onde fui surpreendido por uma imagem,

Lua estava sentada em cima de um carro, com o celular na mão e uma cara de cansada.

“Ainda por aqui?” Perguntei.

“Meu pinel furou, estou esperando o meu irmão vim aqui trocar.” Ela falou, um tanto envergonhada.

“Não sabe trocar?” Perguntei.

“Não...” Ela falou tristonha.

“Quer que eu troque?” Me ofereci.

Continua..
Escrita por : Amanda


Nenhum comentário:

Postar um comentário