12/05/2012

"A Lucíola moderna"



Capítulo 10


Lua, sem conseguir dormir, foi para sala de estar, onde, trajando um vestido branco, puro, sentou-se a beira da janela e pôs-se a cantar uma canção triste.

“Você canta?” Perguntou Arthur ao entrar na sala, assustando-a.

“Acho que está na hora de você partir, já descansaste e recuperaste a lucidez.” Afirmou Lua.

“Eu simplesmente não entendo você.” Afirmou Arthur, cruzando os braços e encarando-a.

“Perdão?” Falou Lua.

“Em um momento parece que finalmente compreendeste que gosto de você, mas logo em seguida parece odiar-me.”

“Arthur, não é que eu não goste de você, a verdade é que odeio a mim mesma.” Afirmou Lua.

“Por que você se odeia?” Perguntou ele.

Ela não respondeu-o. Ele então, aproximando-se cuidadosamente dela, falou:

“Deixe-me ficar com você.”

E pela primeira vez, em muitos anos, Lua permitiu que ele abraçasse-a. Supreendentemente ela corou, e ele apenas pôs-se a sorrir.

“O que somos?” Ele então perguntou.

“Acho que nada, como podes ser algo de alguém como eu?”

Arthur não respondeu-a, mas ao sair da casa dela encontrou-se com um de seus amigos atletas.

“Arthur! Que bom encontrá-lo, estava justamente querendo falar com você.” Afirmou o amigo.

“é mesmo?” Surpreendeu-se Arthur.

“Irei dar uma festa essa noite, quero sua presença.” Afirmou o outro.

“Eu não sei se terei como ir...” Comentou Arthur.

“Lua estará lá.” Afirmou-lhe o amigo.

Com isso, naquela noite, Arthur seguiu para casa de Teresopolis de seu amigo. Chegando lá...

Continua... 
                                                                                              Escrita por : Amanda

3 comentários: