21/06/2012

Aos 27 anos, atriz de 'Rebelde' comemora proximidade com jovens

Verônica Debom vive professora mais velha em 'Rebelde'. Foto: Luiza Dantas/Carta Z Notícias/TV PressAtuar em um projeto voltado para os jovens está longe de ser uma dificuldade para Verônica Debom. Na pele da professora Cris, deRebelde, a atriz garante que só colhe frutos bons por estar próxima aos telespectadores infantojuvenis. Mas, em contrapartida, aos 27 anos, confessa que nem sempre é fácil estabelecer uma diferença entre ela e os colegas que interpretam seus alunos na trama. Principalmente porque muitos deles têm idades bem próximas da sua. Alguns - como Bernardo Falcone, que vive o adolescente Téo - são até mais velhos. "Existe um cuidado na postura de ambas as partes para deixar claro esse contraste. Cortar o cabelo me ajudou, mas o figurino também é primordial para isso, já que a Cris usa muitas calças largas e não saias, como as meninas do colégio", explica a atriz.

O passaporte para ingressar na reta final da primeira temporada de Rebelde veio quase por acaso. Na época em que testavam atores para o papel do aventureiro Binho, que acabou ficando com Pedro Cassiano, a atriz Lua Blanco gravava demais e não seria viável usá-la nos testes. Como Verônica já fazia parte do elenco da emissora, mas não estava escalada, chamaram a atriz para ajudar na seleção entre os meninos. "Depois, quando precisavam de uma professora, me chamaram. Acho que o Ivan (Zettel, diretor) deve ter gostado do meu trabalho nos testes dos meninos e se lembrou de mim", supõe.
Verônica estava contratada na emissora em função de seu desempenho nas duas primeiras turmas da Oficina de Atores da Record. Selecionada pelo diretor Roberto Bomtempo para participar de ambas, ela foi convidada a assinar o vínculo assim que acabaram os trabalhos no curso. "Não sabia o que reservariam para mim", lembra ela, que nem cogitava entrar no folhetim. "Eu estava disponível, é claro, mas não imaginava que seria assim. Adorei porque além de ser um trabalho bacana, já se tratava de um produto de sucesso", avalia.
Antes de Rebelde, Verônica já tinha participado de outra novela da Record. Em Chamas da Vida, interpretou a engraçada Carla. Na história, ela era apaixonada pelo biólogo André, vivido por Guilherme Leme. Mas, no meio da história, o rapaz era assassinado, esvaziando o espaço de Carla e, em seguida, tirando-a da trama. Mesmo assim, Verônica jura que não guarda qualquer frustração da época. "Tive uma oportunidade incrível de mostrar meu trabalho e acho que fiz bem. Só tenho boas recordações desse período. Lembro que escrevi um e-mail aos prantos para a Cristianne Fridman, que escrevia a história, agradecendo", recorda.
As escalações repetidas para papéis voltados para a comédia tanto em Rebelde quanto em Chamas da Vida se explicam na própria trajetória de Verônica. A atriz começou a contar piadas ainda adolescente, para tentar se enturmar. "Eu era esquisita, feia e ninguém queria ficar comigo ou ser minha amiga. Me achava totalmente inadequada. Então, virei a engraçada", diz ela, que hoje se divide entre a novela e algumas participações em números de stand-up comedy - shows de comédia. Na maioria das vezes, com o grupo Comédia em Pé, de Cláudio Torres Gonzaga, Fernando Caruso, Smigol e Victor Sarro. Mas ela também já fez parte de um grupo, o Comédia Sem Média, junto com Rafael Gusmão e Gabriel Sabino. "Só que eles começaram a viajar muito para apresentações e, com a novela, fui ficando menos livre", lamenta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário