29/07/2012

"A Bela e a Fera"



Capítulo 2 e 3


POV- Lua

A Sra Aguiar era uma mulher estranha, muito diferente da minha. Enquanto a minha mãe era conhecida por ser trabalhadeira, a senhora era conhecida por ser consumista e arrogante.

Quando entrei na ENORME mansão, não pude evitar sentir um tanto triste pela pequena casa onde eu vivia com meus cinco irmãos. Uma empregada veio ao meu encontro na sala de estar, e pediu que eu entrasse no escritório da Sra Aguiar.

“Com licença, a Senhorita chegou.” Avisou a empregada para a mãe do menino.

“Entre e sente-se.” A milionária disse, sem olhar-me.

“Oi, prazer. Eu sou a Lua.” Eu disse, estendendo a mão para cumprimentá-la. A senhora ignorou-me e começou a falar.

“Eu sei quem você é, e você sabe quem eu sou, portanto vamos pular as apresentações. Seu diretor deve ter avisado a você que eu preciso de alguém para fazer companhia ao meu filho.” Ela falou.

“Sim. Você deseja que eu ajude-o a se readaptar ao Brasil?” Tentei adivinhar.

“Por favor não interrompa-me. O que vou falar aqui deverá ser mantido em sigilo. Se alguém perguntar porque você vem aqui você irá apenas responder que eu dei um emprego a você como minha assistente.” Ela disse, pegando uma xícara de chá e levando-o aos lábios pintados. “Meu filho não foi para Europa dessa vez, a verdade é que eu e meu marido inventamos essa historia para poupar-lhe a vergonha. Arthur está tratando-se do câncer. Como o médico acha que ele precisa de mais atenção entrei em contato com o diretor de várias escolas dessa cidade, a procura de uma pessoa para ficar conversando com meu filho, mantendo-o entretido.” Ela disse.

“Ok, mas o que exatamente você deseja que eu faça?” Eu perguntei, horrorizada pelo fato dela simplesmente não convidar um amigo dele ou algo do tipo.

“Converse com ele, assista algo, não sei, vê o que ele deseja e faça sem reclamar. O que eu mais preso é respeito e sigilo. Caso você quebre alguma regra farei questão de impedir que seus pais consigam ingresso nessa ou em qualquer cidade.” Ela disse.

Aceitei a proposta e, no dia seguinte, fui para a casa do menino. Eu jamais havia falado com ele. Eu era a bolsista do colégio, ele era o mais rico do mesmo, eu era estranha, ele era lindo. Lembro que na quarta série eu tinha uma pequena quedinha por ele, mas ele sequer sabia que eu existia.

Não tive como ficar calma ao imaginar-me conversando com ele.

POV- Arthur

A segunda acompanhante que minha mãe contratara era uma garota que eu conhecia bem. Era bonita, mais para o estilo gostosa, metida e, para piorar, do tipo que não se abalava fácil com meus insultos.

Eu pensei que perderia aquela batalha. Porém, minha mãe ficou mais irritada que eu quando a garota falou:

“Eu achava você o maior gato, mas agora, você parece mais um zumbi ou um fantasma. O que aconteceu Arthur?” Ela falou, fazendo biquinho e tirando uma foto minha.

Como naquele dia eu estava passando mal, não consegui esconder-me e tive que passar por aquela humilhação. Minha mãe, que ficou sabendo do caso no dia seguinte, ficou muito irritada. Ligou para os advogados e prometeu que arruinaria a vida da menina e da família dela.

Não deu outra, no dia seguinte, enquanto eu via o jornal, passou uma matéria sobre a prisão do pai dela.
Passaram-se alguns dias sem eu ter acompanhamento algum. Nesses dias aproveitei para fazer o que todo garoto da minha idade faz. Peguei algumas revistas (aquela que costumo esconder da minha mãe e deixar as freiras apavoradas) e  folheei-as.

Eu estava olhando a janela distraído, quando vi uma menina loira cruzar o portão. Estremeci, minha mãe não apenas arranjara uma nova acompanhante, mas contratara uma que tinha cara de hippie.

Capítulo 3

POV- Lua

Quando a empregada levou-me para o quarto amplo, de janelas grandes, mas cheio de instrumentos médicos e máquinas que faziam BIPE a todo instante senti um frio na barriga.

Sorri ao ver que o garoto encarava-me.  Arthur estava muito mais magro do que da ultima vez que eu o vira, seu cabelo, antes moreno e bem tratado, estava raspado, ele possuía uma olheira profunda, apenas o sorriso sarcástico e sedutor mantinha-se igual.

“Oi Arthur. Sou a Lua, nós estudávamos juntos.” Eu falei, tentando soar o mais normal possível.

“Não precisa fingir simpatia. Eu sei que minha mãe está pagando para você ficar me fazendo companhia.” Ele disse.

POV- Arthur

A garota, que não era tão feia quanto eu imaginava, disse que estudava na mesma escola que eu estudara.
“Não precisa fingir simpatia. Eu sei que minha mãe está pagando para você ficar me fazendo companhia.” Eu disse.

“Olha, eu sei que sua mãe está me pagando e tudo mais, mas eu estou aceitando apenas porque realmente preciso do dinheiro, caso contrário, viria aqui por livre e espontânea vontade.” Ela disse.

“Claro que viria. Você tentaria conquistar-me como qualquer garota fácil, para dar o golpe do baú.” Eu disse.

Eu podia estar errado, ela poderia não ser interesseira, mas eu não aceitaria passar as tardes com uma garota pobretona e chata, que estava lá por obrigação. O pior de tudo, era que não importava o insulto que eu usasse ela simplesmente não saia de lá.

POV- Lua

Eu teria desistido daquele emprego, se não tivesse uma ENORME pena do garoto. Arthur era obviamente deixado de lado pela família, que pouco importava-se com o estado de saúde dele.

Ao mesmo tempo, eu detestava-o. Não aguentava os insultos. Fui chamada de sem caráter para baixo.

A cada dia que passava eu odiava mais aquele trabalho. Se eu não fosse tão determinada, eu já teria saído. 

A maior humilhação foi quando o garoto resolveu que apenas conversaria comigo sobre sexo, fiquei mais desconfortável impossível.

Continua...

9 comentários: