02/07/2012

"Lock and Key"


Capítulo 15 e 16


POV- Arthur

Após esperar um dia inteiro para ficar a sós com a Lua, finalmente chegou a hora de sairmos para o show.

No táxi, não nos beijamos, apenas demos as mãos, quando saímos do mesmo também tentamos ser o mais discretos possíveis. Quando fomos cumprimentar os amigos da Lua, ela falou:

“Pessoal, queria apresentar a vocês o Arthur meu...” E fez uma pausa, como se não soubesse como nos tachar.

POV- Lua

Quando fui me arrumar para sair (pela primeira vez) a sós com o Arthur a mesma pergunta não saia da minha cabeça: como o apresentaria?

Ao chegarmos no show, abracei meus amigos e fui apresentar o Arthur para o Henrique.

“Queria apresentar a você o Arthur meu...” Infelizmente, naquele momento eu ainda não sabia como acabar aquela frase.

“Namorado, isso é, se você, Lua Blanco, aceitar.” Ele falou, olhando-me nos olhos.

Eu simplesmente não sabia como reagir, o que responder. Eu estava sonhando, era isso! Eu ia respondê-lo quando...

Capítulo 16

POV- Arthur

Quando perguntei se a Lua queria namorar comigo na frente do amigo dela eu sabia que estava correndo o ENORME risco de levar um pé na bunda na frente deles. Para aumentar minha angustia ela ficou calada por um tempo e quando finalmente foi falar algo o amigo dela falou:

“Arthur, cara, você parece legal, por isso vou contar algo.” Entre risos ele falou: “Antes de começar a namorar ela você tem que saber que a Lua tem mania de falar com voz de bebê com os namorados, então prepare-se... Ah e Luinha, responde logo ao
menino pô!”

A loira olhou-me e sorriu:

“Você sequer tem duvida que eu queira namorar com você? Eu quero muito, mas também tenho muito medo! Medo de amar tanto que irei sofrer no final, afinal, Platão mesmo sempre disse que não existe amor perfeito.”

Em seguida ela olhou para o amigo que falara da mania dela e disse, colocando depois a língua para ele:

“Henrique Barbosa, faça-me o favor e não diga ao meu NAMORADO meus defeitos ou manias.”

O amigo dela riu e disse:

“Ai pombinhos, parabéns pelo namoro, e eu vou sair que tenho mais o que fazer. Tchau Luinha.”

POV- Lua

Depois do Henrique me deixar a sós com o Arthur, aproveitei que não havia ninguém por perto e beijei-o. Ainda não acreditavaque estávamos namorando! Nossas moas juntinhas, a certeza que ele era meu, que eu não precisava esconder mais o quanto eu
amava-o e desejava-o, era algo muito enlouquecedor.

Quando o Henrique FINALMENTE nos deixou a sós, puxei o Arthur para um canto onde não havia ninguém e disse com voz de bebê:

“Meu namorado lindo.”

“Minha Lua, meu céu, minha princesa!” Ele disse sorrindo, puxando-me para um de seus beijos de tirar o fôlego.

Paramos de nos beijar apenas quando o show começou. Ficamos sentados em uma mesa na área VIP do local. A mão do Arthur que estava pousada em minha coxa parecia queimar de tanta adrenalina que gerava em mim.

No final do show, apresentei o Arthur como meu namorado aos meus amigos:

“Impressão minha ou a Lua nunca gostou tanto de falar MEU NAMORADO?” Carol brincou.

“Gente, vamos dar um desconto para ela, afinal, ela também disse MY BOYFRIEND.” Falou o Igor.

Todos riram, mas o Arthur simplesmente beijou minha bochecha e disse no meu ouvido:

“Isso é inveja, eu jamais vou deixar de gostar de ser chamado de seu namorado.”

Algumas horas depois nos despedimos e fomos para o hotel. No táxi ficávamos brincando um com o outro, eu já usava minha voz de bebê com ele.

“Thur... você vai dormir comigo hoje né?” Eu perguntei, enquanto brincava com um fio da camiseta dele.

POV- Arthur

No táxi, voltando do show, a Lua perguntou se eu ia dormir com ela. Quase que eu gritei que sim, mas em vez disso eu disse:

“Eu fico com você sempre que você pedir.”

Meu desejo de beijá-la não conseguiu ser segurado até o quarto dela, no elevador eu coloquei-a contra a parede e beijei-a.

Senti os longos e finos dedos dela entrarem no meu cabelo, enrolando-se neles e fazendo um carinho delicioso. Quando comecei a beijar o pescoço dela, ouvi-a murmurar:

“Thuuur... só não me de mais um chupão, pois foi difícil de esconder com maquiagem.”

Eu tive que rir daquilo. Ela olhou-me e riu também. Decidi respeitar a vontade dela, porque realmente seria difícil desmentir um chupão para todos do estúdio.

Quando a porta do elevador se abriu, recuperamos nossa compostura e andamos até o quarto como se nada houvesse acontecido. Enquanto andávamos eu ficava me lembrando que no dia 29/05/2011 eu acompanhara a Lua num show da ex-banda dela (OBS DA AUTORA: ISSO É VERDADE, ELES REALMENTE FORAM NUM SHOW JUNTOS NESSE DIA) e que nesse mesmo dia começamos a namorar. Para me alegrar ainda mais, naquela mesma noite eu finalmente saciaria meus desejos mais obscuros e secretos.

Entrando no quarto retomamos aonde paramos. Retirei a roupa dela, e ajudei-a a tirar a minha. Deitam-nos na cama dela e eu admirei o corpo dela, assim como ela fez comigo. Notei que ela tentava de certa forma esconder-se de mim.

“Princesa, para de se tapar...” Eu disse, puxando o lençol de perto dela.

A loira olhou-me e disse:

“É fácil para você ficar confortável nu na frente dos outros, não é senhor Gostoso?”

Ri da forma que ela chamou-me e eu disse:

“Lua Blanco, jamais duvide da sua beleza, eu tenho olhos apenas para você. VocÊ não imagina como eu sonhei em vê-la assim... Meus sonhos envolvem você neles desde o dia que eu vi você de roupa intima no estúdio.”

“Espera... naquele mesmo dia em que a Mel e a Sophia estavam comigo?” Ela perguntou.

“Sim.” Eu disse, com a maior firmeza do mundo, afinal, eu não estava mentindo.

“Arthuuur! HAHAHA, não me engane né? As nossas amigas são modelos.... eu sou apenas eu...” Ela disse, um tanto tristonha.

“Lua, você não tem a beleza igual a de uma modelo, mas é ainda mais linda. Quando vejo você desejo cada vez mais conhecer essa sua beleza, que de tal forma é misteriosa e ainda mais desejável.” Eu disse, fazendo-a corar.

Depois desse nosso diálogo, voltamos a nos beijar. Não dei nenhum chupão nela, mas beijei o pescoço dela e observei cada detalhe do corpo dela que brilhava sobre o luar ( a cortina do quarto estava aberta, mas não havia nenhum prédio alto por perto
que possibilitasse enxergar o que acontecia entre nós).

Na manhã seguinte, acordei com minha princesa enrolada em meus braços, usando apenas uma camisola fina, que deixava-a ainda mais desejável. Beijei a bochecha dela e olhei em volta, nossas roupas estavam espalhadas pelo quarto inteiro. Quando a
Lua acordou ela beijou-me, levantou-se e olhou para o relógio assustada:

“Arthur! Temos apenas dez minutos para nos arrumarmos, caso contrário perderemos o voo!”

Olhei-a e pensei: Não havia como eu achar todas as minhas peças de roupa, subir até meu quarto, fazer a mala e descer para o hall a tempo. O que faríamos?

Continua..

5 comentários: