11/07/2012

"Lock and Key"


Capítulo 35 e 36


POV- Arthur

Depois do climão gerado pelo fim do namoro da Sophia com o Chay, decidimos que não contaríamos naquele momento sobre o nosso relacionamento.Abortamos também nosso plano, naquele momento não era bom sequer ficar “exibindo” romance pelos corredores do estúdio. Porém nos vimos obrigados a comparecer a um evento juntos.

Estranhamente, quem recebera o convite primeiro fora eu. Enquanto gravávamos recebi um SMS da Anna, irmã da Lua, que avisava-me que faria um show e que desejava minha presença lá.

Quando fui comentar com a Lua a respeito ela demonstrou estar surpresa, mas logo em seguida sorriu e sussurrou:

“Parece que você já faz parte da família.”

Como estávamos a sós, aproveitamos para nos beijar. Tive que rir, minha namorada usava naquele dia uma camiseta xadrez, que era minha, mas ninguém comentara nada a respeito.

Dias depois, enquanto eu decidi fazer uma surpresa para ela. Chamei-a para encontrar-me no camarim e toquei uma musica de minha composição para ela. Infelizmente, fomos interrompidos pelo Bernardo, que gostou da música e decidiu ficar para escutar.

Como não havíamos contado que éramos namorados, não podíamos simplesmente pedir para ele nos deixar a sós. Com isso, meu plano romântico foi por água a baixo, e para complicar ainda mais a nossa vida, Bernardo tirou uma foto nossa, fazendo com que vários jornalistas nos ligassem.

POV- Lua

Depois do incidente com a foto do Bernardo, muitos outros ocorreram. No dia do show, quase nos atrasamos, isso porque meu namorado insistia em seduzir-me.

Toda vez que eu começava a tentar me arrumar ele puxava-me para um beijo, e eu esquecia o que fazia. Quando não era esse o caso, eu me via obrigada a rir quando ele ficava encarando-me.

Naquele momento, eu já não tinha mais tanta vergonha de ficar sem roupa na frente dele, na verdade, aquilo já era mais que comum, e, as vezes, eu divertia-me com isso.

Quando chegamos no show, havia muita gente. Arthur e eu ficamos sem dar as mãos ou trocar olhares enquanto ficávamos na área mais lotada do local do show, mas quando fomos para área VIP, onde haviam apenas nossos amigos,

No dia seguinte, quando chegamos ao estúdio, levamos um susto, isso porque....

Capítulo 36

POV- Arthur

Depois do show, fomos para casa da Lua. Lá, obtive o que eu desejava desde antes do show. Juro que não me canso de ouvir que ela ama-me.

Quando chegamos no dia seguinte ao trabalho levamos um susto, isso porque todos ficavam a nos encarar estranhamente.

Chay, Micael, Bernardo, Carla, Pérola, Sophia, Julie, Mel e muitos outros fizeram o favor de nos contar o que estava acontecendo.

“Como estava o show ontem?” Perguntou a Sophia.

“Muito bom. “ Lua respondeu, olhando-me duvidosa. Nós dois sabíamos que algo estava acontecendo.

“Tinha pouca cadeira lá?” Perguntou o Chay.

“Não... Por quê?” Perguntei.

POV- Lua

“Ah vejamos. Queridos amigos, vamos juntar as peças para os pombinhos, primeiro o Arthur fora o único a receber convite para o show, segundo o Bernardo encontrou o Arthur cantando para Lua, houve também o caso do BEIJÃO de língua desses dois na novela, a Lua agarrando a mão do Arthur ao sair da apresentação no ídolos e para terminar a Lua sentou-se ontem no colo do Arthur, mas não havia necessidade para isso, pois havia banco sobrando.” Explicou a Mel.

Eu e o Arthur nos encaramos e rimos, não havia mais o que fazer, eles sabiam de tudo. Depois disso, pedimos que eles não espalhassem para ninguém que estávamos juntos, pois tentávamos ao máximo manter em segredo o relacionamento. 

Depois deles descobrirem tudo, as coisas ficaram bem mais fáceis. Devo admitir que senti-me culpada por jamais ter contado a ninguém sobre nosso relacionamento.

Nossos amigos contaram para gente que descobriram sobre o show após várias fotos vazarem de nós dois no dia 26/07/2011, no Show da Lotus, no Rio de Janeiro.  Havia fotos em que estávamos juntos apenas de mãos dadas, fotos minha sentada no colo dele, ou dele com a mão na minha cintura.

Eu sequer imaginava que depois daquilo, o interrogatório, que já era insuportável antes, ficou apenas pior.
Quando fui ao show da Avril Lavigne com minha irmã tive quer explicar que o Arthur era apenas um bom amigo, depois disso, no dia 31 de agosto, uma plateia enorme pediu que eu e o Arthur nos beijássemos. No mesmo dia, foi oficializado o fim do namoro da Sophia e do Chay.

Como o dia fora difícil para minha amiga, eu e a Mel fomos dormir na casa dela, botar o assunto em dia... Se eu imaginasse que o “sleep over” seria daquele jeito, jamais teria topado ir.

POV- Arthur

Enquanto a Lua saia com as meninas, eu fui fazer companhia ao mais novo solteirão do Rio. Eu e Chay pedimos algumas pizzas (diga-se cinco tamanho família), compramos algumas bebidas e fomos assistir um jogo na casa dele.

“Eai cara, enquanto o jogo não começa que tal você me falar sobre seu namoro com minha melhor amiga.” Ele falou. “Já vou avisando, não quero saber detalhes sórdidos nem femininos.”

“Não tem muito o que falar.” Falei.

“Claro que tem. Conquistar a Lua não deve ter sido fácil.” Ele falou.

“Verdade, não foi mesmo, mas valeu apena.” Eu disse, sorrindo bobo.

“Ta Arthur, chega! Já tá com cara de bobalhão novamente.” Ele falou, zoando-me.

POV- Lua

Quando cheguei na Sophia  a Mel já estava lá. Minha amiga não estava com a melhor das aparências, mas isso não significava nada.

Enquanto jantávamos, fofocamos bastante.

“Então dona Lua, você tem muito para nos contar.” Falou Sophia.

‘Muito mesmo... Por onde quer começar?” Perguntou Mel. “Talvez pelas cuecas de ursinho do Arthur?” Ela brincou.

“Hahaha, o Arthur não usa cueca de ursinho, só e peixinhos.” Falei rindo.

Depois daquele inicio, muitas outras revelações eu tive que fazer. Contei a elas TODA a historia do nosso namoro, nossas brigas e etc.

No dia seguinte, quando encontramo-nos para almoçar em Ipanema, Arthur veio com um assunto  mais que estranho, e a forma que resolvemos nossa discussão foi mais inesperada ainda.

POV- Arthur

Quando sai da casa do Chay, já era mais que tarde, fui para casa e dormi, sem pensar em mais nada.
Quando Lua me encontrou para almoçarmos no dia seguinte. Decidi falar sobre algo com ela.

“Quando vamos oficializar que estamos namorando?” Perguntei.

“Arthur, pirou? Já está insuportável assim, imagina se confessarmos o namoro? Não poderíamos sair de casa.” Ela falou.

“Lua, não dá para escondermos isso para sempre.” Eu disse.

“Claro que dá.” Ela falou.

“Eu quero falar. Quero poder dizer a todos que estamos namorando.” Eu falei.

“Mas eu não quero.” Ela falou.

Depois desse diálogo, onde nenhum de nós voltava atrás na decisão, almoçamos sem conversar nada. Quando entramos no carro decidi que ia acabar com tudo aquilo.

POV- Lua

Arthur viera discutir novamente comigo que devíamos falar que estávamos namorando.

Passamos o almoço todo sem se falar. Fiquei apenas encarando-o. Não conseguia entender como amava-o tanto e ao mesmo tento desejava-o longe de mim.

Bastou chegarmos na garagem da minha casa, que Arthur colocou um basta na gente.

Ele estacionou o carro, virou para mim:

“Lua, assim não vai dar para continuar. Eu não vou desistir, nem você vai desistir, isso é, se continuarmos essa briga com um diálogo.”

“Umm, e o que você sugere Arthur? Que a gente saia brigando a soco?” Perguntei.

“Não. Eu prefiro assim...” Ele falou e....

POV- Arthur

“Lua, assim não vai dar para continuar. Eu não vou desistir, nem você vai desistir, isso é, se continuarmos essa briga com um diálogo.”

“Umm, e o que você sugere Arthur? Que a gente saia brigando a soco?” Perguntou-me ela, olhando-me.
“Não. Eu prefiro assim...” Falei e beijei-a.

Ela pareceu gostar da atitude, e beijou-me de volta. Com isso, saímos do carro ainda nos beijando e entramos na casa dela.

Eu iria apenas parar de provocar ela, quando essa decidisse aceitar o que eu desejava.

“Ummm então seu plano é provocar-me até eu aceitar o que você deseja?” Ela perguntou, um tanto sem fôlego, enquanto eu beijava o pescoço dela.

Afastei-me rapidamente e respondi: “Exatamente.” Em seguida mordi com força o lábio dela.

Eu provavelmente teria ganhado se...

POV- Lua

Arthur beijou-me mordeu-me, mas não esperou que eu fosse reagir, e agir do mesmo jeito que ele. Beijei-o, provoquei-o e talvez tivesse ganhado dele, mas jamais saberei disso, já que...

Continua...

Um comentário: