01/07/2012

"My first love"


Capitulo 103 e 104


            Os últimos dias na praia passaram se arrastando. Naquele dia o Arthur se trancou no quarto e não saiu de lá pra nada. Por incrível que pareça os meninos respeitaram. A Mel ainda tentou conversar com ele mais tarde, mas ele só disse que precisava ficar sozinho. Ele e sua mania de se isolar, eu só me lembro do dia da briga com Peu lá em casa.
            No outro dia até que ele parecia um pouco melhor. Saiu do quarto, foi pra praia com a gente. Evitava ficar muito próximo de mim, ou sozinho comigo, mas eu entendia.
            Resolvemos sair no ultimo dia à noite. Seria a nossa ultima festa das férias. O Arthur primeiro falou que não iria, que preferia ficar sozinho e subiu logo pro quarto. Foi ai que todos olharam pra mim.
            - Ei! O que vocês querem? – perguntei sem entender o motivo de todo esse suspense.
            - Vai lá Lu, tenta convencer o cara. Não é justo acabar assim com as férias dele – Peu falava, eu definitivamente desisto de entender meu irmão.
            - Eu vou, mas não fui eu que acabei com as férias de ninguém – subi atrás dele e bati na porta do quarto.
            - Entra!
            - Thur? Posso falar com você? – perguntei ainda da porta.
            - Claro entra – ele se sentava na cama.
            - Não tenho o direito de te forçar a nada, mas, por favor, por mim, vamos sair hoje?! – eu implorei – Está todo mundo me olhando torto porque a culpa de você ter ficado assim foi minha, vamos, anima ai vai!
            - Lua a culpa não é sua. Não deixa ninguém falar isso – ele falava com os olhinhos brilhando, tristes.
            - Certo, eu não deixo. Mas, vamos? – eu resolvi apelar – Se você não for quem vai cuidar de mim? Como eu vou sobreviver de vela desses seis? A gente volta mais cedo qualquer coisa.
            - Eu vou viver minha vida inteira e não vou saber explicar o poder que seu sorriso e seus olhos têm sobre mim sabia? – ele falava se levantando e sorrindo.
            - Isso é um sim? – questionei com cara de criança que está aprontando.
            - É sim. Só vou trocar de roupa podem ir que eu encontro vocês – ele falou pegando uma roupa no armário.
            - Nada disso, estou atrás da porta, só desço com você – sair do quarto e o esperei no corredor. Não demorou muito e ele saiu lindo como sempre.
            - Pronto dona chatinha. Estou aqui, satisfeita? – falava com um sorrisinho no rosto e se aproximando.
            - Agora vamos – puxei-o escada a baixo e saímos todos.
            Engraçado não ouvir nenhuma piada do Chay e do Mica, o clima realmente estava estranho. Todos tendo cuidado com o que fala e como fala.
            Na festa foi tudo bem. Tirando um carinha que veio falar comigo e o Arthur tratou de colocar pra correr. Eu adorava isso.
            - Espero que não tenha se incomodado, mas você me chamou pra te defender, e eu não fui com a cara dele, não é namorado pra você – falou com certa ironia.
            - Não me incomodou, e se você fala que ele não é o namorado certo pra mim, quem sou eu pra dizer o contrario – falei com um sorriso bobo pra ele.
            - Bom saber que vai seguir meus conselhos. Isso me tranquiliza – ele falou olhando em direção ao bar.
            Era tudo que precisava pra estragar a noite. A infeliz da Cristina estava no bar encarando ele de longe. Ele tentou disfarçar, mas eu percebi, e acho que ele também percebeu que eu não gostei.
            - Desmancha esse bico vai – ele pedia pra mim segurando minha mão e ficando de costa pra onde aquela loira infeliz estava.
            - Desculpa, não tenho esse direito. Se quiser ir lá falar com ela, a vontade, não se sinta preso à promessa – falei um pouco nervosa e angustiada. Sem encara-lo.
            - Nada disso, prometi e além do mais não tenho vontade nenhuma de conversar com ela – ele me explicava e eu olhava para o chão, quando ele suspendeu meu rosto me encarando – Espero que você se prenda sim a sua promessa.
            - Ok! – só respondi isso.
            - Pode me acompanhar até ao bar? Estou com sede – ele me perguntava com aquele sorriso torto que eu amo.
            - Pode ir que eu espero aqui.
            - Nada disso, se algum engraçadinho encostar eu não vou ter como te defender a distancia, e seu irmão está digamos que muito ocupado com a Gabi – apontava Peu dançando com Gabi do outro lado da pista.
            - Você venceu. Vamos! – ele me abraçou pela cintura e foi atrás de mim me guiando abraçado comigo.
            Chegando ao bar, ele pediu uma cerveja e uma água. E percebi que a Barbie do Paraguai não parava de olhar.
            - Toma, a água é pra você – ele abria a garrafinha e me entregava.
            - Eu não pedi nada – falei recriminando-o.
            - Acho melhor água do que tequila, eu não tenho boas recordações – falava sorrindo e me fazendo gargalhar me lembrando do meu porre.
            - Nem me lembre disso – falei pegando a garrafinha da mão dele e dando um gole – Péssimas recordações. Vamos voltar pra lá? Não estou muito a vontade aqui.
            Ele olhou para o lado e logo percebeu o motivo. Falou com ela apenas acenando com a mão. Pegou minha mão entrelaçando os dedos e saímos de lá. Eu me sentia a própria senhora Aguiar na frente daquela patricinha mal acabada. Poderia não ficar com ele pra mim, mas dela ele também não seria.
            A noite acabou bem, logo chamamos o Mica e a Soph pra irmos embora, pois estávamos cansados e eles concordaram. O clima de volta pra casa só com o Arthur poderia não ser tanto agradável, afinal a gente ainda se gosta, e sabíamos que a relação não dava certo, o que não mudava o nosso desejo.
* * *

Capitulo 104

            A volta das férias foi tranquila. Ainda tínhamos uma semana antes das aulas realmente começarem pra poder organizar tudo. Nesse período não tive contato com o Arthur, a não ser por telefone, quando ele ligava atrás de Peu ou eu ligava pra Mel, mas era tudo bem amigável.
            A semana se passou, as aulas começaram, e as noticias correram. Eu era a mais nova solteira novamente.
            Como era de se esperar o primeiro a decretar felicidade com essa notícia foi Matheus. E não demorou muitos dias para que ele me procurasse pra conversar na escola, eu cortei logo falando que tinha que ir pra minha sala, mas na hora da saída foi inevitável.
            - Lua, será que agora a gente pode conversar?
            - Matheus, por favor, eu acho que não temos mais assunto nenhum pra ser conversado. Você errou, eu errei, o tempo passou, esquece tudo vai – tentei explicar a situação cortando logo o papo, em vão.
            - Não consigo me esquecer de você Lu, você foi muito especial pra mim – ele tentava me convencer disso, mas eu não suportava essa situação.
            Graças a Deus não demorou muito pro Pedro chegar pra me buscar. E ele não gostou nada de me ver conversando com Matheus.
            - Lua, você tá dando conversa pra esse idiota? – ele estava pra variar, furioso!
            - Claro que não – respondi logo – Só que eu ainda não tenho o poder de fazer com que ele cale a boca ao se aproximar de mim.
            - E desde quando ele se aproxima de você? Que eu saiba o Arthur tinha avisado pra ele manter distancia – ele continuava com os questionamentos, mas com tranquilidade até.
            - Digamos que depois que ele soube que não estou mais com o Arthur – respondi sem querer prolongar esse assunto – Acho que ele tem esperanças de voltarmos.
            - Espero que isso não esteja passando pela sua cabeça. Porque eu não aceito você com esse idiota de forma alguma – ele estava um pouco tenso – Preciso conversar com o Arthur hoje.
            - Conversar com o Arthur? Peu a gente não tem mais nada – eu não entendia o que ele queria dizer.
            - Eu sei disso, mas garanto que ele vai se interessar em saber disso e me ajudar a afastar esse imbecil de você – ele falava num tom sarcástico, o que me cheirava confusão.
            - Peu, por favor, sem confusão tá. E não fica metendo o Arthur em minha vida, isso ainda me machuca – tentava convencer, apesar de saber que seria impossível.
            Ao chegar a minha casa, almocei, fui pro meu quarto fazer minhas atividades, pois a noite teria inglês. O que me ajudava um pouco mantendo minha cabeça sempre ocupada.
            E naquela noite em especial, uma bomba caiu em minhas mãos. Era uma decisão a ser tomada que poderia mudar minha vida de cabeça pra baixo.
* * *
Continua...

22 comentários:

  1. mais pelo amor de deus +++++++++++++++

    ResponderExcluir
  2. posta mais hoje pelo amor de deus!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. quer matar a gente, coisa feia.posta mais please

    ResponderExcluir
  4. posta mais por favor!!!!! tenta postar ainda hoje

    ResponderExcluir
  5. Faiz Eles Voltarem Logo,Fica Pessimo Com Eles Separados!!!

    ResponderExcluir
  6. nana f. vc vai postar mais um hoje ? por favor !!!!!!!!!! brigada

    ResponderExcluir
  7. Posta mais pf!amo mto sua web ela é perfeita.ESTOU MTO TRISTE PQ ELAS TERMINARAM.FAZ COM QUE ELES VOLTEM LOGO PF!

    ResponderExcluir
  8. Amorecos, tive que separa-los sim. Chorei igual uma condenada pra escrever mas é necessário, afinal se já fosse o juntos pra sempre a web chegaria ao fim. Mas prometo que logo tem volta... e mais problemas... e volta... e problemas... e, Ah! Conto mais nada! kkkkkk Beijos, @NanaFLuAr

    Quanto aos capitulos, são quatro por dia! E os horarios, são por conta da Celly!

    ResponderExcluir
  9. EU adoro problemas... porque quando volta, volta com mais emoção!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EU TB GOSTO DE PROBLEMAS,MAS TIPO O FIM DO RELACIONAMENTO DELS FOI TAO INTENSO E REAL QUE,JA CONTECEU CO MIGO.

      Excluir
  10. Celly que capitulo é a foto do começo do video Rebelde Brasil 2ªtemporada.Historia de Roberta e diego (Parte 325)

    ResponderExcluir
  11. Nana vai ter segunda temporada?

    ResponderExcluir
  12. São 180 capítulos, não vejo segunda temporada pra My First Love n... o que pode rolar são alguns capítulos especiais la na frente quem sabe! Bjos @NanaFLuAr

    ResponderExcluir