25/05/2012

"A Lucíola moderna"


Capítulo 30


“Então manda a loirinha me pagar o que deve.”

Lua olhou-o assustada, e respondeu-lhe:


“Mas eu não lhe devo nada.”

O homem então, surpreendendo a todos, colocou-se de joelhos no chão e pôs-se a chorar.

“Eu sempre amei-a, mas você nunca me desejou de verdade, apenas queria saber do meu amor. Você me deve desculpas, desculpas por ter quebrado meu coração.”

Lua  ficou com pena do homem, mas também com muita vontade de rir, pois ela jamais esperara tal atitude de um homem daqueles.

“Sr. Moulain, desculpa por jamais tê-lo amado. Mas, sinceramente, acho que jamais poderia amar você, mesmo querendo. Eu já encontrei a minha alma gêmea, e suspeito que você também, apenas não sabe disso ainda.” Ela falou.

“Eu?” Perguntou o homem intrigado.

“Sim você. Ou esqueceu-se que na sua padaria preferida sempre que a D. Margarida atendia-o os pães eram melhores, e ela dava-lhe presentinhos. Jamais percebeu o jeito que ela olha você? Ou como ela sorri quando vê você entrar? A pobre senhora morre de amores por ti.” Lua falou, enquanto Arthur tirava Anna de perto do homem.

O senhor sorriu, e voltou a chorar. “Ah Lua, desculpa pelo caos que causei-lhe, mas é horrível ser velho, só, e mal amado.” Ele explicou.

Lua sorriu, eles despediram-se e, assim que ele saiu,a  loira soltou um suspiro de alivio.
Arthur olhou-a e disse:

“Como você conseguiu fazer ele ficar tão calmo e contente?”

“Eu tenho esse dom.” Ela falou rindo.

Os dois abraçaram-se, e logo em seguida, Lua virou-se para Anna.

“Anna, esse é o Arthur, meu namorado.”

“Prazer Anna.” Falou Arthur.

“Oi.” Ela falou sorridente.

Depois que a mais nova foi dormir, Lua e Arthur jantaram a luz de velas, e, mais tarde, foram até o quarto dela, onde....

Continua...
Escrita por Amanda

3 comentários: